Mulher com demência se refugia nos braços do marido, um amor que vence barreiras

“Se isso não é amor verdadeiro, eu não sei o que é”, comentou Kelli Taylor sobre a relação entre seu pai e sua mãe, que estava nos estágios finais da demência. “Eles estão casados ​​há 34 anos e meu pai cuida dela em tempo integral.”

Casais que juram ficar juntos por toda a vida incluem tempos difíceis, que devem enfrentar juntos. É nessas situações de grande dificuldade que o amor que sentem um pelo outro deve ser maior.

E é que, embora existam amantes que têm dificuldade em passar por esses testes de lealdade, existem outros casais que definitivamente nasceram para ficar juntos.

Um exemplo deles é esse casal que, depois de três décadas de casamento, provaram estar lá um para o outro nos dias difíceis quando ela começou a sofrer de demência.

(Imagem:Kelli Taylor)

Como Kelli Taylor postou em sua conta na rede social Twitter, seus pais passavam por um momento difícil quando sua mãe, Phyllis, chegou aos estágios finais da demência.

No entanto, ela não deixou de se sentir segura nos braços de seu amado marido, razão pela qual costumava deitar e dormir em cima dele. Em um desses momentos, Kelli os fotografou, imortalizando uma cena terna.

“Meus pais estão casados ​​há 34 anos. Minha mãe está nos estágios finais de demência de início precoce (diagnosticada há 5 anos, aos 53 anos). Meu pai cuida dela em tempo integral”, escreveu Kelli no post ao lado da doce foto.

Sugerido para si:  Família rica abandona cão em estado lastimável e vizinhos nada fazem para ajudar
(Imagem:Kelli Taylor)

“Ela nem sempre se lembra do nome dele, mas ela sabe que está segura com ele. Se isso não é amor verdadeiro, eu não sei o que é.”

(Imagem:Kelli Taylor)

Esta fotografia foi tirada em abril de 2018, quando gerou uma reação de solidariedade de muitos usuários. Infelizmente, a mulher morreu apenas um mês depois, como sua filha publicou em 29 de maio daquele ano.

“Foi uma jornada longa e excruciante, com muitas perdas ao longo do caminho, por isso estamos aliviados por ela não estar mais sofrendo. Mas isso não alivia a dor desta perda final. Estou de coração partido. Não acredito que não posso mais abraçá-la”, escreveu Kelli. via:upsocl


- Publicidade -

MAIS POPULARES

- Publicidade -