Homem nadou quase 1 quilômetro por ruas alagadas para salvar sua mãe de 84 anos

Johnny Lauder havia recebido um pedido de socorro de sua mãe, que usa cadeira de rodas, porque a água estava invadindo sua casa após o furacão na Flórida (EUA).

O filho não hesitou em ir em seu socorro. “Eu sabia que o tempo era essencial”, disse ele de acordo com a CNN.

Não há lugar no mundo que esteja completamente livre dos atos da natureza, como terremotos, chuvas intensas, entre outros como furacões.

Países como os Estados Unidos estão acostumados a recebê-los, mas isso não significa nada de bom para seus habitantes, pois são um cenário de grande urgência.

É essencial tentar se manter seguro conforme a situação permitir e, claro, muitos optam por resgatar seus entes queridos, arriscando suas próprias vidas ao mesmo tempo.

Depois que o furacão Ian atingiu a costa oeste da Flórida (Estados Unidos), centenas de pessoas foram afetadas pelos danos causados ​​como enchentes, perda de entes queridos, casas, entre outros aspectos.

Apesar de tudo, alguns se preocuparam muito em salvar a quem ama, como é o caso de Johny Lauder, um homem da cidade de Naples que nadou quase 1 quilômetro em água para salvar a vida da sua mãe de 84 anos, que é cadeirante.

O ex-policial de 50 anos havia recebido uma ligação de sua mãe, onde ela estava em pânico porque a água estava entrando em sua casa a toda velocidade e poderia afogá-la, então Johnny não hesitou em ir em seu socorro.

Sugerido para si:  Cadela é abandonada após cuidar dos donos durante 10 anos, trataram o cão como lixo

“Eu só queria chegar lá”, disse ele de acordo com a CNN. “Eu sabia que o tempo era essencial”, acrescentou.

As ruas estavam completamente alagadas e ele se esforçou para chegar a tempo, caminhou até sua casa e a encontrou com água até o pescoço.

“É meio quarteirão até a esquina e minha mãe mora três quarteirões ao sul… Comecei a nadar. Carros, vans estavam flutuando ao meu lado, a corrente estava movendo carros. Foi muito forte, mas você sabe, quando você tem que fazer alguma coisa, a adrenalina, você não pensa, você simplesmente vai”, explicou ele à Univisión.

“A água estava nas janelas e eu a ouvi gritando lá dentro. Foi um choque e um suspiro de alívio na hora: um choque que ela pudesse estar machucada, um suspiro de alívio sabendo que ainda havia ar em seus pulmões.”

A partir de sua experiência como agente, ele reconheceu os sintomas de hipotermia nela, então pegou alguns lençóis secos que encontrou em seu resgate e a cobriu para mantê-la aquecida.

Quando a água começou a baixar, o filho e o neto da mulher (que mora nas proximidades) também se juntaram para ajudar e a levaram para um local seguro.

Ela foi levada ao hospital onde detectaram uma infecção bacteriana, mas felizmente ela está bem.

“Ela está quente, ela está segura, isso é tudo o que importa”, disse Johnny à CNN. Cada segundo contava para cumprir a missão. via:upsocl


- Publicidade -

MAIS POPULARES

- Publicidade -