Estudo garante que homens choram mais por futebol do que por amor

“Os estereótipos de gênero e emoção sugerem que os homens não choram e não devem chorar, mas o choro dos homens parece ser particularmente proeminente em contextos como esportes competitivos”, explica o estudo americano.

Para quem terminar um relacionamento costuma ser uma experiência muito triste e traumática.

Dependendo de quanto tempo durou o casal e em que termos o relacionamento terminou, o rompimento pode se tornar mais doloroso.

E é normal chorar durante o luto após a separação e afastamento.

Em um relacionamento heterossexual, tanto homens quanto mulheres podem derramar lágrimas igualmente, mas há certos estudos, segundo Excelsior, de que as mulheres supostamente choram mais que os homens.

Embora isso não seja cem por cento certo, os dados mostram que uma mulher choraria entre 30 e 67 vezes por ano, enquanto os homens apenas entre 6 e 17 vezes.

Isso também tem muita influência dos tabus e preconceitos que existem na sociedade sobre o choro nos homens.

É comum que desde crianças ouçam que “não devem chorar” e que “chorar é coisa de menina”.

Mas recentemente descobriu-se que a área em que os homens derramam mais lágrimas não é no amor ou nos relacionamentos românticos, mas nas competições esportivas, como o futebol.

De acordo com um estudo publicado pela National Library of Medicine, o esporte seria a área ideal para os homens chorarem, pois é considerado um contexto “aceito” pela sociedade.

Sugerido para si:  Casal generoso decide doar o dinheiro de sua festa de casamento para uma escola na África

“Os estereótipos de gênero e emoção sugerem que os homens não choram e não devem chorar, mas o choro dos homens parece ser particularmente proeminente em contextos como esportes competitivos”, especifica o estudo.

Isso ficou demonstrado na Copa do Mundo de 2022 no Catar, todas as vezes que as câmeras focaram em torcedores masculinos chorando inconsolavelmente quando suas seleções foram eliminadas da competição.

Além disso, essas lágrimas não foram derramadas exclusivamente por derrotas, mas também em triunfos heroicos e agonizantes.

O documento acrescenta que 15% dos torcedores de futebol se emocionam mais com a vitória ou derrota de seu time de futebol do que quando terminam um relacionamento ou perdem um ente querido. Mesmo que seja o nascimento do seu primeiro filho. via:upsocl


- Publicidade -

MAIS POPULARES

- Publicidade -